Expediente Anunciar Contatos Sábado, 18 de Novembro de 2017

cometa azul

Antes e depois de Kant
Data:21/03/2017 - Hora:11h52
Antes e depois de Kant
arquivo

O que move este mundo? Ou melhor, na atualidade, o mover-se é racional ou produto tão somente do apetite pelo bem ou pelo mal de forma empírica, sem qualquer transcendência?

Vontade é impulso direcionado ao objeto ou vontade, desejo e necessidade são coisas diferentes? Quando quero, tenho desejo ou necessidade?

Tradicionalmente, vontade seria princípio racional da ação ou mesmo princípio da ação em geral. Seria, em apertada síntese, isso: vontade como apetite racional ou compatível com a razão; sendo o apetite sensível, o desejo. Hoje, a interpretação seria outra.

Fiquemos nos clássicos. Desejo não é necessidade. Ao contrário, é sua antítese. Portanto, dizer que o que quero é o mesmo de que necessito seria contradição.

Para Deleuze, desejo é realidade e produz realidade. Contrariamente, para Lacan seria ausência e privação (idem).

Exemplifiquemos. Se tiver a vontade de acabar com a corrupção no poder público, pela ordem natural das coisas (razão), estar-se-á no campo da objetividade e compromissado com algo que transcende a valores práticos (conceito ‘a priori’ kantiano, razão pura).

Mas, se o que quero (como vontade) é tão somente a chance de ali estar e fazer a mesma coisa, igual àquilo que em discurso de verborragia julgo por absurdo, o tenho como desejo. Esta é a lição de Cícero.

Ao descumprir com determinadas regras básicas de existência, como avançar sobre o patrimônio alheio ou mesmo deixar de socorrer a alguém por puro medo ou arrogância, o desejo te faz companhia. Não se trata, portanto, de necessidade.

Agora, se pode refletir sobre a lógica do mundo nesse aspecto. O que o move é vontade, desejo ou necessidade? Na relatividade das coisas, a resposta seria, depende.

Depende do estado de pureza que está implícito na ação. Deixemos, aqui, aquela conhecida análise de que a ação nunca é pura, pois há fatores a considerar como ambiente, classe social, opressão, cultura etc., para os sociólogos.

O que se busca, então? É a verdade subjacente a este estado de quem quer, de quem critica, de quem manipula o discurso ético.

Em Kant se pode concluir que a razão prática entra em contato com a razão pura pelo pensamento. Não importa, neste espaço, o conceito de ambas. Mas o fato de que a razão está em processo constante de desenvolvimento e, por ela, cada qual tem um universo de possibilidades.

Assim, faça da razão algo mais sério que simplesmente o desejo e a necessidade. Faça-a cada vez mais pura, na prática. Somente nesse viés se pode afirmar a existência de um Criador, posto que, por princípio, o que é criado pelo perfeito, perfeito é, sem os assombros da insensatez.

É por aí...

Gonçalo Antunes de Barros Neto é juiz de Direito

(email: antunesdebarros@hotmail.com).

 


fonte: por Gonçalo Antunes de Barros Neto

»     COMENTÁRIOS
 
\\ PUBLICIDADE
água prisma 2
Juba Supermercados
prisma 2
areeira monte verde
jane
Contec Contábil
\\EDITORIAIS
  • Agronegócio
  • Anúncios e Comunicados
  • Artigos
  • Cidades
  • Cultura
  • Economia
  • Educação
  • Esporte
  • Gastronomia
  • Geral
  • Humor
  • Meio Ambiente
  • Polícia
  • Política
  • Pontos Turísticos
  • Saúde e Bem Estar
  • Social
  • Utilidade Pública
  • Variedades
  • Galeria de imagens
  • Diário de Cáceres 2014 Copyright © Todos direitos reservados Desenvolvimento de sites