Expediente Anunciar Contatos Sábado, 18 de Novembro de 2017

maxnet

De palmatória
Data:01/05/2017 - Hora:19h55
De palmatória
arquivo


Dante de Oliveira, autor da emenda da eleição direta, é citado por seu suposto lado ambientalista enquanto criador de parques e reservas. Não vejo nesse rótulo o cerne de seu perfil, pois a verdadeira biografia é aquela esculpida pelo passar do tempo. 

A polêmica sobre a questão de Serra Ricardo Franco abre uma avenida pra que se possa mostrar a parte visível do Dante dito ambientalista, mas longe de mim a intenção de alterar ou acrescentar algo a sua biografia - isso é tarefa do tempo. 

Quando Dante chegou ao governo, Mato Grosso concluía o alicerce que lhe daria o título de maior polo do agronegócio tupiniquim. Sua saída do rudimentar e a entrada na tecnologia de ponta no campo era uma metamorfose que não agradava a Europa, os Estados Unidos e o Japão. 

Organismos internacionais acenaram com empréstimos polpudos para Mato Grosso desde que Dante estancasse o crescimento rural com a bandeira ambiental. Programa de Perenização de Travessias, BID Pantanal e tantos outros acenderam a chama da criação dos parques e reservas. Mais: o Homem das Diretas fortaleceu o MST chegando a desafiar o Judiciário ao impedir que a PM garantisse reintegrações de posse. Seus assessores e deputados, juntamente com sindicalistas, lhe davam cobertura. Frederico Müller, Antonio Joaquim, Riva, Antero, Satélite, Carlos Brito, Hilário Mozer, Pedro Nadaf, Valter Albano, Daltro, Wilson Santos, Silval, Novelli, Bosaipo, Romoaldo, Berinho, Leitão e muitos outros formavam o pelotão verde que deveria funcionar como gazua para arreganhar os cofres da dinheirama. Paralelamente a isso, ONGs supranacionais criavam raízes em municípios. 

No período, por lei ou decreto surgiam parques sem o menor critério ambiental, sem ouvir os donos ou ocupantes das áreas arrebanhadas pela maré ambientalista. Serra Ricardo Franco é bom exemplo disso e vale salientar que sua criação foi motivada também por fazer fronteira com o boliviano Parque Nacional de Noel Kempff Mercado. 

Insisto que o tempo é o verdadeiro senhor da verdade e, assim sendo, creio que ainda estamos longe da biografia de Dante. Mas mesmo distante de seu histórico, volto o olhar ao Ministério Público, ora tão aceso sobre Serra Ricardo Franco, e vejo promotores insistindo na manutenção do status quo das nossas reservas, quando num raro momento de lucidez parlamentar a Assembleia tenta mantê-las, mas fazendo as devidas correções na forma como foram criadas. Esse mesmo tempo renova o MP, hoje com poucos remanescentes da era Dante e que em silêncio presenciaram o fluxo da citada maré. 

Acho que o momento exige grandeza. O MP precisa dar a mão à palmatória pelo ontem entendendo que há correções a serem feitas e que um erro não justifica o outro, biografia à parte. 

EDUARDO GOMES DE ANDRADE é jornalista 

eduardo@diariodecuiaba.com.br 


fonte: por Eduardo Gomes de Andrade

»     COMENTÁRIOS
 
\\ PUBLICIDADE
dunga
água prisma 2
São matheus
prisma 2
areeira monte verde
jane
\\EDITORIAIS
  • Agronegócio
  • Anúncios e Comunicados
  • Artigos
  • Cidades
  • Cultura
  • Economia
  • Educação
  • Esporte
  • Gastronomia
  • Geral
  • Humor
  • Meio Ambiente
  • Polícia
  • Política
  • Pontos Turísticos
  • Saúde e Bem Estar
  • Social
  • Utilidade Pública
  • Variedades
  • Galeria de imagens
  • Diário de Cáceres 2014 Copyright © Todos direitos reservados Desenvolvimento de sites