Expediente Anunciar Contatos Quarta-feira, 16 de Outubro de 2019

reurb

Raiva bovina infecta e mata seis animais na região de Cáceres
Data:17/07/2019 - Hora:12h30
Raiva bovina infecta e mata seis animais na região de Cáceres
arquivo

Seis casos de raiva bovina foram registrados, em propriedades rurais na região de Cáceres, nos últimos três anos. Uma média de duas mortes por ano. O maior índice foi registrado em 2018 com três casos. Além de um resultado positivo, mais um caso está em análise, neste ano, no município. Ao todo, conforme o Instituto de Defesa Agropecuária – Indea foram realizados entre os anos de 2017 e 2019, 40 exames, dois quais, seis deram positivos e 34 negativos.

A situação é preocupante, de acordo com o gerente-regional do Indea, Adriano Garcia Araújo, levando em conta que o município detém o maior rebanho bovino do Estado, com cerca de 3,5 milhões de cabeça. E, o surgimento frequente de casos da doença pode comprometer a pecuária mato-grossense, sem contar que também é um grave problema de saúde pública.

A raiva é transmitida pela mordedura de morcegos hematófagos. Eles são hospedeiros e transmissores do vírus, por meio da saliva infectada. Pela mordedura ou lambida em alguma ferida aparente do animal ele transmite a doença. O vírus não tem tratamento. Por isso, a  alternativa é a vacinação.  O ser humano também pode ser infectado.

Os animais devem ser vacinados a partir de 3 meses de idade e fazer o reforço nos primovacinados após 30 dias. Nesse período, eles desenvolvem os sintomas da raiva como isolamento, agressividade, salivação e dificuldade ao andar.

O gerente do Indea afirma que os campos das propriedades rurais, com plantio de árvores, em meio à pastagem, vêm se tornando um habitat perfeito para os morcegos. “Os bovinos, geralmente, usam as sombras das árvores, durante o dia para descansar e a noite para dormir. Por isso se tornam presas fáceis para os morcegos que ficam nas árvores. Eles só têm o trabalho de descer, morder ou sugar o animal, e voltar” explica Adriano.
 
De acordo com o Indea, para que o controle da raiva dos herbívoros seja efetivo, é importante que o Serviço Estadual de Defesa Sanitária Animal mantenha uma rotina de cadastro dos refúgios/abrigos dos morcegos, com monitoramento respeitando as características regionais de cada estado. Ele apresenta uma alta versatilidade na utilização de abrigos, podendo ser naturais, como grutas e ocos de árvore, ou artificiais, constituídos por casas abandonadas, pontes, bueiros, fornos de carvão, etc.

Orientações:

Cabe ao proprietário notificar imediatamente ao Serviço Veterinário Oficial a suspeita de casos de raiva em herbívoros, bem como a presença de animais apresentando mordeduras por morcegos hematófagos, ou ainda informar a existência de abrigos desses morcegos. A não notificação coloca em risco a saúde dos rebanhos da região, podendo expor o próprio homem à enfermidade. Sendo a raiva uma enfermidade de notificação compulsória, caberá sanção legal ao proprietário que não cumprir com esta obrigatoriedade.

Comunique sua vacinação contra Raiva no escritório do Indea. Na suspeita de um animal acometido pela doença: – Isolar o animal do restante do rebanho; – Nunca manipular o animal; – Não consumir a carne do animal; – Procurar imediatamente um escritório do Indea do seu município;  – No caso de mordedura no homem ou contato com animais suspeitos;  – Lavar com água e sabão o ferimento. – Procurar a Secretaria Municipal de Saúde. – Comunicar ao Indea do seu município.
 
Os abrigos devem ser georreferenciados com o auxílio de GPS. O controle dos morcegos deve ser executado de forma correta e seletiva, atingindo somente morcegos da espécie Desmodus rotundus, não causando nenhum dano ou transtorno a outras espécies de morcegos, como insetívoros, frugívoros, polinívoros, carnívoros e ictiófagos, pois estes últimos constituem fator primordial para o equilíbrio ecológico.

Conforme a biologia, habitat, área de ação, padrões alimentares, hábitos, organização social e comportamentos específicos dos Desmodus rotundus, desenvolveram-se técnicas para o controle de suas populações, mediante o emprego de anticoagulantes.

Nos refúgios frequentados por morcegos hematófagos Desmodus rotundus, sempre que possível, o INDEA coleta espécimes para envio ao laboratório. No caso de suspeita de esses morcegos estarem acometidos por raiva, devem ser coletados e encaminhados ao Laboratório de Apoio a Saúde Animal (LASA), para diagnóstico. Este trabalho (o controle populacional de morcegos) pode ser realizado apenas pelo INDEA-MT com profissionais treinados e habilitados.

A colheita das amostras de animais suspeitos de estar acometidos de raiva deverá ser efetuada por médico veterinário que esteja devidamente imunizado. Do herbívoro suspeito de raiva deverão ser coletadas amostras do Sistema Nervoso Central (SNC). No caso de ruminantes, o encéfalo (córtex, cerebelo e tronco cerebral), já no caso dos eqüídeos, deve ser coletado o encéfalo e a medula. Deverão ser coletadas e enviadas ao laboratório, para diagnóstico, amostras de todos os animais mortos com sinais clínicos compatíveis com encefalites.


fonte: Sinézio Alcântara

»     COMENTÁRIOS
 
\\ PUBLICIDADE
Prisma
Juba Supermercados
Contec Contábil
jane
areeira monte verde
\\EDITORIAIS
  • Agronegócio
  • Anúncios e Comunicados
  • Artigos
  • Cidades
  • Cultura
  • Economia
  • Educação
  • Esporte
  • Gastronomia
  • Geral
  • Humor
  • Meio Ambiente
  • Polícia
  • Política
  • Pontos Turísticos
  • Saúde e Bem Estar
  • Social
  • Utilidade Pública
  • Variedades
  • Galeria de imagens
  • Diário de Cáceres 2014 Copyright © Todos direitos reservados Desenvolvimento de sites