Expediente Anunciar Contatos Sábado, 21 de Setembro de 2019

independencia cometa

O problema do mal
Data:01/02/2019 - Hora:15h54
O problema do mal
arquivo

Para Santo Agostinho, o mal não é substância, é um não-ser (visão ontológica-metafísica do problema do mal). Em assim sendo, como seria possível buscar um antídoto para o mal, para a não-substância, para o nada?

 

 

O pensador de Hipona, por considerar o mal um vazio, não aceita a ideia de antídoto a combatê-lo. Nem atenção mereceria (ideia central em Ivan de Oliveira Silva). O mal é simplesmente o distanciamento do bem.

 

O homem decaído somente encontrará o caminho do bem pela ajuda do Sumo Bem, do Supremo Criador, pois, não tem condições para se auto socorrer da corrupção da vontade (Agostinho).

 

O mal moral, que transcende ao universo circundante, pode se aproximar do bem e, assim, desfazer-se? Também, não. Como poderia um nada se aproximar de algo, de um ser, já que a existência do bem é garantida?

 

Como se poderia destruir o mal, independentemente do bem? O mal é somente parâmetro, do que não é sensato e aceito em axiologia. O bem é, e não se torna. O mal, por não existir, esquecê-lo seria como manter a moral pura.

 

Como para Agostinho o homem é dotado de razão, e a lei desta está escrito na mente humana, o mal moral (por ser uma questão afeta à razão) somente se combate pelo auxílio da graça, dádiva divina, portanto.

 

Mas, e os ateus? Afastando-se do auxílio divino, que entendem prescindível, como podem apropriar-se do bem moral? E conhecemos um bocado deles com comportamento moral bem acima de inveterados religiosos, frequentadores de seletas rodas sociais.

 

A razão lhes foi por graça, diriam. Contudo, e a fé, não o seria, também? Renunciando à fé, possível também a renúncia de qualquer auxílio divino. Ou não?

 

Penso que o mal existe, é substância. E a energia que dele exala sufoca a todos. Um humano impregnado pelo mal, quando apanhado em perversas atitudes, pode já ter causado estragos irreversíveis no bom funcionamento de grupos e instituições.    

Por aqui, por aí e por lá, pode-se constatar barreiras nefastas em que o mal engendrou para apequenar e dissimular o bem. Todo cuidado é pouco, em especial com os aduladores e loucos por poder; a retórica com que lhes vale é a mesma do covil dos subservientes à insanidade.

 

Não há banho de pétalas que deles subtraia a podridão de seus hálitos e suspiros, e nem a protegê-los da desonra. São como cães a ladrar por carruagens de bajuladores e tapetes manchados de injustiças.

 

Ironicamente, que de retro, corram, da intrepidez moral dos honestos e sinceros. O mal (e o mau deles) nunca será maior que o bem e a justiça.

 

É por aí...

 

GONÇALO ANTUNES DE BARROS NETO é juiz em Cuiabá.

 

 

 
 


fonte: por Gonçalo Antunes de Barros Neto

»     COMENTÁRIOS
 
\\ PUBLICIDADE
Prisma
Juba Supermercados
Contec Contábil
areeira monte verde
jane
\\EDITORIAIS
  • Agronegócio
  • Anúncios e Comunicados
  • Artigos
  • Cidades
  • Cultura
  • Economia
  • Educação
  • Esporte
  • Gastronomia
  • Geral
  • Humor
  • Meio Ambiente
  • Polícia
  • Política
  • Pontos Turísticos
  • Saúde e Bem Estar
  • Social
  • Utilidade Pública
  • Variedades
  • Galeria de imagens
  • Diário de Cáceres 2014 Copyright © Todos direitos reservados Desenvolvimento de sites