Expediente Anunciar Contatos Terça-feira, 21 de Novembro de 2017

vestfapan2018

Assim como os cigarros, narguilés e aromáticos oferecem grande risco
Data:29/08/2017 - Hora:07h40
Assim como os cigarros, narguilés e aromáticos oferecem grande risco
Ilustrativa

Especialistas alertam que tabagismo se tornou doença pediátrica

 

 

A cada fumaça expelida pelo pulmão, 4.720 tóxicas entram no corpo. No Brasil, que comemora hoje,29,o Dia Nacional de Combate ao Tabagismo, isso pode afetar cerca de 1,8 milhão de jovens até os 17 anos que já fumaram ou ainda fumam. Por esse motivo, os especialistas asseguram que o tabagismo é uma doença pediátrica. A afirmação é sustentada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), com base na estatística de que 90% dos fumantes adultos inserem o cigarro no dia a dia antes dos 19 anos.

Boa parcela dessa juventude é atraída por produtos sedutores, que prometem mais naturalidade e menos nocividade, mas que estão carregados de perigos à saúde:

o narguilé e os cigarros aromáticos. Os especialistas apontam justamente o oposto: esses fumos são mais prejudiciais ao organismo do que o cigarro tradicional.

Para se ter uma ideia, uma sessão de uma hora de narguilé corresponde ao efeito de cem cigarros, afirma a pneumologista Maria das Graças Rodrigues, presidente da Comissão de Controle de Tabagismo, Alcoolismo e Uso de Outras Drogas, pertencente à Associação Médica de Minas Gerais. “É um produto altamente tóxico para o organismo. Ele injeta uma concentração maior dessas substâncias nocivas que ficam por mais tempo dentro do corpo”, diz.

E os cigarros aromáticos, mesmo sendo menos letais que o narguilé, não podem ficar de fora. O açúcar (glicerol) tragado deles se transforma em toxina no organismo, fazendo com que as hemácias, os glóbulos vermelhos, soltem menos oxigênio para os tecidos, além de potencializar o efeito da nicotina no cérebro. “Outra gravidade é que os aditivos inseridos neles, como o mentol e o chocolate, por exemplo, mascaram os efeitos colaterais, levando o fumante a permanecer mais tempo dependente”, esclarece o pneumologista Pedro Navarro, do Programa de Controle do Tabagismo da Prefeitura de Belo Horizonte.

A pneumologista Maria das Graças chama atenção para os males ocasionados pela exposição prolongada às substâncias tóxicas: doenças respiratórias e cardiovasculares, câncer (pulmonar, cavidade bucal, garganta) e disfunção erétil, além de doenças contagiosas como herpes labial, tuberculose e hepatite C, que também podem ser adquiridas pelo uso do bucal coletivo, no caso do narguilé, por exemplo.

Devagar se vai ao longe. A publicitária Anna Silveira, 23, faz parte da estatística: ela começou a fumar aos 17 por influência de amigos. Há um mês, decidiu abandonar o tabagismo.

“Eu já não rendia tanto nas atividades físicas como antes e precisei abrir mão da corrida e do futebol por causa da falta de fôlego e do cansaço além do normal”, afirma. “Sei que vai levar um tempo para recuperar a saúde, mas fumaça no meu corpo? Nunca mais”, conclui a publicitária.

 

Alerta. “O tabaco é o único produto comercializado legalmente que mata dois terços dos seus usuários ou diminui significativamente sua expectativa de vida. Ele custa aos cofres públicos do país R$ 59,6 bilhões por ano para tratar doenças da dependência, segundo o Ministério da Saúde”, diz Maria das Graças Rodrigues.

 

 

Fonte      http://www.otempo.com.br/interessa/narguil%C3%A9s-e-cigarros-arom%C3%A1ticos-oferecem-grande-risco-a-jovens-1.1513675


fonte: O Tempo

»     COMENTÁRIOS
 
\\ PUBLICIDADE
Juba Supermercados
glamour 2
Contec Contábil
São matheus
jane
areeira monte verde
\\EDITORIAIS
  • Agronegócio
  • Anúncios e Comunicados
  • Artigos
  • Cidades
  • Cultura
  • Economia
  • Educação
  • Esporte
  • Gastronomia
  • Geral
  • Humor
  • Meio Ambiente
  • Polícia
  • Política
  • Pontos Turísticos
  • Saúde e Bem Estar
  • Social
  • Utilidade Pública
  • Variedades
  • Galeria de imagens
  • Diário de Cáceres 2014 Copyright © Todos direitos reservados Desenvolvimento de sites