515 dos 825 funcionários do Hospital Regional de Cáceres assinam documento pedindo a permanência de equipe de atendimento ortopédico
Por redação
15/02/2021 - 10:43

Foto: arquivo

Servidores do Hospital Regional, em Cáceres, protestam contra a contratação da empresa SCOT – Serviços Cacerense de Ortopedia e Traumatologia Ltda., vencedora do “Pregão Eletrônico” para prestação de serviços médicos, nas áreas de Clínica Médica, Urgência e Emergência, Ortopedia e Traumatologia, Cirurgia Pediátrica e Pneumologia, na unidade.

Uma lista contendo 515 assinaturas –o hospital tem 825 de servidores - foi entregue à direção do hospital e será encaminhada também à Secretaria de Estado de Saúde (SES), na tentativa de impedir que a empresa assuma a função. Os protestantes não descartam a possibilidade de paralisar as atividades para chamar a atenção do governo e impedir a contratação.

Ao mesmo tempo em que protestam contra a SCOT, os servidores defendem a permanência da empresa Bone Medicina Especializada, atualmente, responsável pelos trabalhos.

“Há quatro anos, época em que SCOT era responsável pelo setor, os pacientes ficavam esperando por cirurgias ortopédicas por até 6 meses. Era um “marca e desmarca de cirurgias”, pacientes em jejum, uma enfermaria só de cirurgias infectadas; pacientes com fratura de fêmur sofrendo vários dias em tração. Tudo isso  gerava muitos gastos para o governo” denunciam. “Como o Estado não olha o profissionalismo e sim o menor valor, quem "se ferra" é a população que precisa de atendimento de saúde de qualidade. Mas, no final o barato vai sair caro porque irá gerar mais gastos levando em conta que, os pacientes ficarão mais tempo internados, esperando cirurgias, se tratando medicações e retorno”.

Asseguram que, desde que a Bone Medicina, passou a trabalhar no hospital “observou-se uma grande melhora nos atendimentos: não tem mais fila de espera por cirurgias ortopédicas; não tem mais enfermaria que ficava na clínica ortopédica, só com cirurgias infectadas, não tem pacientes em retorno ao hospital reclamando de cirurgias malfeitas e nem pacientes com fratura de fêmur vários dias sofrendo na tração em cima de uma cama”.

O que diz a empresa:

            Empresário diretor da SCOT – Serviços Cacerense de Ortopedia e Traumatologia, o médico Ivando Luiz Araújo Júnior, refuta as denúncias. Ele diz que a empresa preencheu todos os requisitos necessários e foi vencedora do Pregão Eletrônico porque tem serviços e profissionais tecnicamente qualificados.

Empresário diretor da SCOT – Serviços Cacerense de Ortopedia e Traumatologia, o médico Ivando Luiz Araújo Júnior, refuta as denúncias. Ele diz que a empresa preencheu todos os requisitos necessários e foi vencedora do Pregão Eletrônico porque tem serviços e profissionais tecnicamente qualificados.

            “Nada que foi denunciado tem fundamento. Não passa de picuinhas de funcionários” diz Ivando acrescentando que quando a empresa deixou o hospital há quatro anos foi feita uma auditoria e nada foi constatado que pudesse desabonar a empresa. “São questões meramente pessoais. Na auditoria não foi detectado uma única irregularidade. Se fosse, não poderíamos participar da licitação” explicou.

O médico conclui dizendo que “a nossa empresa venceu um processo de licitação legal, sem nenhum questionamento. Vamos assumir os trabalhos nos próximos dias”. (Sinézio Alcântara)

 

        

O Pregão Eletrônico, na modalidade de menor preço, foi promovido pela Secretaria de Estado de Saúde – SES, no mês de novembro do ano passado. A empresa vencedora deverá assumir a função no próximo dia 28. ) contrato, tem validade de um ano.

Nota dos funcionários:

Nós servidores deste hospital fizemos um abaixo assinado para que a equipe atual de médicos ortopedistas não saem do hospital, porque desde que essa equipe entrou os atendimentos ortopédicos melhoraram muito e muito.

Esse Hospital é referência para Trauma e Emergência para toda região Oeste do Estado de MT. Desde que a equipe (BONE MEDICINA ESPECIALIZADA LTDA) de médicos ortopedistas juntamente com o Dr. Marcelo Okubo começaram a prestar serviços ao hospital observou-se uma grande melhora nos atendimentos, não tem mais fila de espera por cirurgias ortopédicas, não tem mais uma enfermaria que ficava na clínica ortopédica só com cirurgias infectadas, não tem pacientes em retorno ao hospital reclamando de cirurgias mal feitas, não tem mais pacientes com fratura de fêmur vários dias sofrendo na tração em cima de uma cama, entre outras bem feitorias para os pacientes...

Antigamente na equipe de médicos anteriores (SCOT) (e que vão voltar a atender novamente) os pacientes ficavam esperando por cirurgias ortopédicas por muito tempo até meses, era um marca e desmarca de cirurgias e pacientes em jejum, uma enfermaria só de cirurgias infectadas, pacientes com fratura de fêmur sofrendo vários dias em tração.... O que consequentemente gerava muito gastos pro governo...

Hoje essa equipe que está, a Bone Medicina, nuntamente com o Dr. Marcelo Okubo, tem um atendimento humano, gentil, de qualidade, respeito, educação e com profissionalismo, empatia e amor ao próximo, contando também com uma equipe com várias especialidades (em mãos, joelho, onco-ortopedista, entre outras especialidades),que nunca tinha visto isso na equipe anterior (SCOT) e que irão voltar dia 28/02/2021 .

O que aconteceu pra que houvesse o retorno da equipe anterior ortopédica no hospital?Como o Hospital é Estadual, houve um pregão onde a equipe anterior colocou o valor dos plantões lá em baixo, no valor de 700 reais, com o intuito de futuramente tentar aumentar esse valor. Como o Estado não olha profissionalismo e sim o menor valor, quem se ferra ou perde é a população que precisa de atendimento de excelência. No final, com o retorno da equipe anterior gerará  muito mais gastos para o governo, porque pacientes ficarão mais tempo internados esperando por cirurgias, se tratando com medicações e retornos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Carregando comentarios...