Expediente Anunciar Contatos Terça-feira, 21 de Novembro de 2017

cometa azul

8 de abril: o Dia Mundial de Combate ao Câncer especialista alerta sobre câncer de pâncreas‏
Data:07/04/2016 - Hora:04h52
8 de abril: o Dia Mundial de Combate ao Câncer especialista alerta sobre câncer de pâncreas‏
assessoria

O CEC é pioneiro e único no Mato Grosso a disponibilizar a ecoendoscopia há 9 anos;

 

No dia 8 de abril acontece o Dia Mundial de Combate ao Câncer e para conscientizar a importância do diagnóstico precoce da doença, o presidente da Sociedade Brasileira de Endoscopia Digestiva em Mato Grosso (Sobed-MT) e diretor técnico do Centro de Endoscopia Cuiabá (CEC), Roberto Barreto, alerta sobre um dos tumores mais agressivos e de difícil diagnóstico: o câncer de pâncreas.

 

No Brasil, o tumor pancreático é responsável por cerca de 2% de todos os tipos de câncer diagnosticados e por 4% das mortes pela doença — 8.710 pessoas — segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

 

De acordo com o presidente da Sobed-MT, o câncer no pâncreas é uma doença assintomática em suas fases iniciais,  por isso é importante fazer  exames e prevenção para detecção precoce, tendo em vista tratar-se de câncer de alta letalidade.

 

"Exames como ultrassom, tomografia e ressonância fazem o diagnóstico, porém o melhor e mais preciso exame no diagnóstico é a ecoendoscopia, pois é superior a tomografia e a ressonância no diagnostico precoce do câncer de pâncreas. O CEC é pioneiro e único no Mato Grosso a disponibilizar o exame há 9 anos. A ecoendoscopia faz o diagnóstico e retira ao mesmo tempo o material das lesões suspeitas do pâncreas", enfatiza Barreto. 

 

O pâncreas é uma glândula do aparelho digestivo, localizada na parte superior do abdome e atrás do estômago. É responsável pela produção de enzimas, que atuam na digestão dos alimentos, e pela insulina - hormônio responsável pela diminuição do nível de glicose (açúcar) no sangue. É dividido em três partes: a cabeça (lado direito); o corpo (seção central) e a cauda (lado esquerdo). A maior parte do casos de câncer de pâncreas localiza-se na região da cabeça do órgão.

 

Segundo o especialista o câncer de pâncreas não apresenta sinais específicos, o que dificulta o diagnóstico precoce. Os sintomas dependem da região onde está localizado o tumor, e os mais perceptíveis são: dores abdominais de leve ou forte intensidade que irradiam para as costas, icterícia, perda de apetite e de peso, cansaço, anemia e diabetes tipo 2.

O câncer de pâncreas tem um mau prognóstico de sobrevivência em grande parte porque muitas vezes passa despercebido por muito tempo, dando-lhe tempo para se espalhar.  Roberto Barreto esclarece que apenas com o diagnóstico precoce, o paciente tem maiores chances de cura. Em casos de detecção tardia, o tempo de sobrevida varia entre seis meses a cinco anos.  

 

"A prevenção é a melhor forma de se cuidar. O diagnóstico tardio dificulta o tratamento oncológico, diminui as chances de cura e interfere na qualidade de vida dos pacientes", destaca o médico.

 

Fatores de risco

 

Entre os fatores de risco, destaca-se principalmente o uso de derivados do tabaco. Os fumantes possuem três vezes mais chances de desenvolver a doença do que os não fumantes. Dependendo da quantidade e do tempo de consumo, o risco fica ainda maior. Outro fator de risco é o consumo excessivo de gordura, de carnes e de bebidas alcoólicas. Como também a exposição a compostos químicos, como solventes e petróleo, durante longo tempo. 

Há um grupo de pessoas que possui maior chance de desenvolver a doença, e estas devem estar atentas aos sintomas. Pertencem a este grupo indivíduos que sofrem de pancreatite crônica ou de diabetes melitus, que foram submetidos a cirurgias de úlcera no estômago ou duodeno ou sofreram retirada da vesícula biliar.

Ecoendoscopia

Considerado pela medicina como um dos melhores procedimentos para a análise do pâncreas e das paredes do estômago, a ecoendoscopia é grande aliada na prevenção do câncer de pâncreas. Além disso, é o único exame que permite a coleta de material das lesões suspeitas através da punção ecoguiada com agulha fina explica Roberto.

Também é conhecido como ultrassonografia endoscópica, o exame reúne ultrassom e endoscopia no mesmo procedimento. Um dos diferenciais é a utilização de ondas sonoras de alta frequência, que permitem a melhor definição das imagens dos órgãos do paciente. O aparelho é introduzido pela boca e ao chegar no estômago, o endoscopista liga o probe do ultrassom para visualizar órgãos que estão atrás, como é o caso do pâncreas, vesícula, e outros. O procedimento tem duração média de 30 a 90 minutos e é realizado no paciente sob sedação.

Em Mato Grosso, a ecoendoscopia pode ser encontrada no Centro de Endoscopia Cuiabá (CEC) e, inclusive, alguns planos de saúde já disponibilizam a cobertura do procedimento.

 


fonte: Ícone Assessoria de Imprensa

»     COMENTÁRIOS
 
\\ PUBLICIDADE
glamour 2
água prisma 2
areeira monte verde
prisma 2
São matheus
Contec Contábil
\\EDITORIAIS
  • Agronegócio
  • Anúncios e Comunicados
  • Artigos
  • Cidades
  • Cultura
  • Economia
  • Educação
  • Esporte
  • Gastronomia
  • Geral
  • Humor
  • Meio Ambiente
  • Polícia
  • Política
  • Pontos Turísticos
  • Saúde e Bem Estar
  • Social
  • Utilidade Pública
  • Variedades
  • Galeria de imagens
  • Diário de Cáceres 2014 Copyright © Todos direitos reservados Desenvolvimento de sites